Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIÁRIO 89

Criando memórias desde 1989

14
Abr19

Pontos vazios no mapa

"Havia certo romantismo no desconhecido, mas, depois que um local era descoberto, catalogado e mapeado, era diminuído, virava apenas mais um fato empoeirado em um livro, tinha seu mistério diluído. Então talvez fosse melhor deixar alguns pontos vazios no mapa. Deixar que o mundo preservasse um pouco de sua magia, em vez de obrigá-lo a revelar até seu último segredo. Talvez fosse melhor se surpreender de vez em quando."

(Ransom Riggs, Biblioteca de almas)

03
Set17

O Lar da Senhora Peregrine para Crianças Peculiares

Conheci pela primeira vez os Peculiares no trailer do filme que ia estrear no cinema. Despertou-me o interesse por ser mais um filme do Tim Burton, mas foi quando descobri que se tratava de uma trilogia de livros adaptada ao grande ecrã que fiquei ainda mais curiosa!

Encontrei os livros por acaso à venda num hipermercado, e depois de folhear algumas páginas fiquei logo com vontade de descobrir o enredo desta aventura. Uma aventura que leva Jacob a conhecer uma ilha misteriosa onde se encontram as ruínas do lar para crianças peculiares, que o seu avô tanto lhe falou antes de morrer. Ao explorar as ruínas, Jacob descobre bem mais do que uma simples casa abandonada...

Lancei-me no primeiro livro da trilogia escrita por Ransom Riggs, e só parei no terceiro e último! Os Peculiares foram a minha companhia nos últimos tempos, e foram muitas as noites em que adormeci a ler mais uma página, mais um pedaço de magia. Não me lembrava de ler um livro de fantasia, pois leio sempre romances com histórias bem reais. Adorei mergulhar num mundo tão diferente, especial e peculiar.

Quanto à adaptação ao cinema do primeiro livro, confesso que me desiludiu. Adoro Tim Burton, mas além de na nossa imaginação ser tudo muito mais fantástico, fiquei um pouco decepcionada com as alterações que fizeram em determinadas personagens. Para os amantes de leitura como eu, as adaptações ao cinema dificilmente nos encantam!

  

"Tudo em que podia pensar era que avôs deviam morrer em camas, em lugares brancos e tranquilos..."

 

"Em minha visão, quando se trata das coisas realmente importantes da vida não existem acidentes. Tudo acontece por uma razão."

  

"Mas não dá para se sentir mal o tempo todo, quis dizer. Rir não piora as coisas, assim como chorar não as melhora. Não significa que você não se importe ou que tenha esquecido. Só quer dizer que você é humana."

  

"Talvez muitas pessoas passem pela vida sem jamais saber que são peculiares."

 

"Nunca ninguém nos machuca tanto quanto as pessoas que amamos."

 

"Mas agora você está fazendo promessas que talvez não consiga cumprir, e é assim que pessoas apaixonadas se machucam muito."

 

"E me ocorreu, ali parado, só respirando com ela, o silêncio caindo à nossa volta, que aquelas podiam ser as duas palavras mais lindas do mundo. Temos tempo."

31
Mai17

Reconciliação com os livros

Ultimamente tenho ocupado as minhas horas vagas com algo que já sentia saudade de fazer como antigamente: ler! Andava bastante preguiçosa na leitura, sendo capaz de começar um livro e acaba-lo passado meses. Porém, desde o início do ano que já concluí quatro livros! O primeiro deles foi Une seconde chance de Nicholas Sparks, que iniciei no ano anterior e os outros três foram Le cercle de Salem de Jodi Picoult, 7 ans aprés de Musso e Pedaços de ternura de Dorothy Koomson. Os meus preferidos foram Le Cercle de Salem e o 7 ans aprés, talvez com uma preferência maior para o primeiro, pois Jodi Picoult nunca desilude, não fosse ser a minha autora preferida. Estou bastante feliz desta reconciliação com os livros! Qual será o próximo?

10
Nov14

On parlait de saudade

20188599_Ht8gF.png

Recentemente aventurei-me a ler um segundo livro em francês. O primeiro foi Parce que je t'aime de Musso e o que estou a ler actualmente é Sauve-moi do mesmo autor.

Ontem em mais um capítulo do livro surgiu a palavra saudade. Arrepiei-me ao ler esta passagem por saber o que é sentir a saudade na pele, um sentimento tão português que não se consegue traduzir completamente em outras línguas. Prefiro mil vezes ler livros em português, mas desta vez ler em francês algo assim teve um sabor especial!

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

MEMÓRIAS

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D