Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIÁRIO 89

Criando memórias desde 1989

11
Nov18

Núpcias no Douro

O dia após nos casarmos é ambíguo no que toca a sentimentos. Por um lado estamos com o coração farto de amor e felicidade, mas por outro sentimos um certo vazio e até uma pequena tristeza, por algo planeado durante meses ter passado num piscar de olhos! Juntando a esta bipolaridade de sentimentos, o cansaço dos últimos preparativos até ao dia em si, fez-se sentir bastante no dia seguinte.

Depois de uma rápida passagem pela quinta, onde ainda haviam vestígios da  nossa festa, fomos em direção ao merecido descanso. Baião foi a nossa escolha, onde nos esperava um quarto de hotel virado para o Douro. 
Assim que lá chegamos aproveitamos a tarde de sol com um mergulho na piscina e um momento de preguiça nas espreguiçadeiras, onde começamos a sonhar com a nossa lua de mel.
Passeamos pelas vinhas presentes no hotel, e depois de um banho quente fomos jantar. Depois de um jantar divinal, não pensava que aquele hotel me pudesse surpreender mais. Tão errada estava eu! O melhor fica para o fim como se costuma dizer. A meio da noite, vim à varanda e vi o céu mais estrelado que alguma vez vi na vida. Um universo repleto de constelações. Acordei o meu agora marido para ver aquele espetáculo deslumbrante. Ele que se queixou que nunca via estrelas cadentes, viu ali mesmo uma a deslizar pelo céu.

IMG_0668.JPGIMG_0654.JPG

IMG_0672.JPG

IMG_0703.JPGIMG_0679.JPG

Sem dúvida um cantinho repousante, que se revelou mágico.

06
Nov18

A Nossa Vez

IMG_20180825_134839_234.jpg

Acordei pensando "É hoje!". O dia começou de forma normal, sem ti ao meu lado, visto termos passado esta última noite a sós. Tomei o pequeno-almoço, fui buscar as flores e ainda dei uma arrumadela à casa, coisas normais do quotidiano, num dia que tinha tudo para ser fora do comum.
A maquilhadora e a cabeleireira foram as primeiras a aparecer em casa. De armas e bagagens, foram-se instalando para me transformarem numa princesa. Fomos conversando serenamente de tudo e de nada. Confidenciaram-me que estavas tranquilo quando te viram momentos antes, o que me surpreendeu, por seres de natureza um pouco nervoso.

Assim que elas terminaram, eu já só queria vestir o vestido. Esperei pelas damas de honor, e por momentos senti uma ponta de stress aparecer. Duas delas acabaram por chegar, e sem mais demoras vestiram-me num misto de alegria e emoção. Corri receber os meus convidados, e entre beijos, abraços e fotografias a derradeira hora chegara.
Entrei no carocha branco dos anos 60 com os meus dois anjinhos, e lá fomos nós em direção à igreja. Entre o espanto de um em andar num carro sem cinto, e o choro de outro por o carro ter tido dificuldade a pegar, houve um momento em que fui invadida por uma enorme emoção. Aquele era o momento.
Assim que chegamos, o meu pai veio buscar-me ao carro para me acompanhar ao altar. A magnífica Ave Maria de Schubert estava a ser cantada quando entrei na igreja, a qual deixei de ouvir assim que comecei a ver os rostos familiares que foram surgindo à minha frente. Acabei presa no teu olhar e no teu melhor sorriso.
Com muita emoção e um pouco de nervos à mistura, a cerimónia decorreu melhor que o esperado. O sacramento do matrimónio, as leituras lidas pelas melhores, o rito judaico e uma declaração de gratidão dirigida aos nossos pais. Não faltaram os sorrisos, as lágrimas, os risos e até as palmas.
Saímos da igreja cobertos pelo meu véu rendado, sobre um manto de capas negras, debaixo de uma chuva de arroz e purpurinas. Beijos, abraços e mil desejos de felicidade. A festa ainda ia no início e os comentários sobre estar tudo a ser magnífico já se faziam ouvir.

18
Set18

Cada Verão tem uma história

A história deste verão foi chegar a Portugal em pleno início de Agosto. Foi voltar às Festas Gualterianas os dois, comer um belo de um pão com chouriço e apanhar um peluche nas máquinas, fazendo-nos recordar outros tempos. Foi passear nas ruas de Guimarães e sermos fotografados na cidade onde já deixamos tanto amor em cada recanto. 

Foi estarmos entusiasmados com os preparativos do nosso dia, e já bem perto dele entrarmos em parafuso. Foi treinar a nossa dança na casa que desejamos habitar definitivamente um dia, num chão sujo de arroz e purpurinas. Foi ter um ataque de nervos três dias antes do casamento, e desatar a chorar desalmadamente enquanto as amigas tentavam arrancar-me de casa, e eu recusava. Foi conseguirem convencer-me e me surpreenderem com a melhor despedida de solteira que alguma vez imaginei.

Foi voltarmos ao sítio do nosso primeiro beijo na véspera, e dormirmos sós para nos reencontrarmos já na igreja. Foi acordar de manhã e ver o sol a brilhar e preparar-me para o Sim de uma vida. Foi sermos imensamente felizes com a família e os amigos. Foi deitar-me exausta, com a sensação de ter vivido aquilo que sonhara, num simples piscar de olhos.
Foi passarmos a noite de núpcias no Douro e acordar durante a noite sob um manto de estrelas, que julgo nunca ter visto igual.  Foi te queixares de nunca veres estrelas cadentes, e veres uma naquele preciso instante.
Foi voarmos para o outro lado do mundo e descobrir um pedaço da Ásia, um sonho realizado. Foi ir e voltar e agora pensar "Fomos mesmo a Tailândia!".
Foi usufruir de mais momentos em família, antes de mais uma temporada de trabalho. Foi sentir ainda mais que temos de viver o agora, porque ele pode tornar-se tão especial e único, mas também tão fugaz. Foi constatar que sou feita de saudade, pois guardo no peito os melhores momentos com imensa paixão.
Cada Verão tem uma história, e este verão teve sem dúvida uma das melhores: a nossa!
26
Jul18

Enterrar a vida de solteiros

MSGR_PHOTO_FOR_UPLOAD_1532200919994.jpg

Cada vez mais perto do grande dia, começamos no passado sábado a enterrar a nossa vida de solteiros! Sendo o último fim de semana livre antes de voar até Portugal, fomos convidados para mais uma jantarada com os amigos. Com o tempo de verão que tem estado e o cheirinho a férias que se começa a fazer sentir, lá fomos nós mais que entusiasmados para mais um convívio.

Mal chegamos fomos logo recebidos com shots, que foram o brinde inicial da festa surpresa que nos esperava! Entre balões em forma de coração, luzinhas, fotografias dos nossos melhores momentos e a música, confesso que quase soltei uma lágrima. 

A partir daqui a noite desenrolou-se de forma bastante divertida, onde fomos postos à prova com várias brincadeiras, e mesmo com algum álcool à mistura acho que nos safamos bastante bem!

Desta surpresa resultaram alguns vizinhos chateados com o barulho, hematomas nas minhas pernas, uma camada de sono no dia seguinte, mas principalmente momentos repletos de risos e sorrisos! Não me canso de agradecer à vida por me ter dado amigos assim, tão especiais!

18
Jul18

Um mês para o Sim

Depois de meses a imaginar e planear o nosso casamento, hoje começa a verdadeira contagem decrescente para o nosso dia. Falta exatamente um mês!

A ansiedade começa a instalar-se de mansinho, os sonhos surgem durante a noite, e a emoção quando ensaiamos mais uma vez a nossa dança intensifica-se.

O tempo torna-se agora escasso para ultimar todos os pequenos pormenores de um dia que não queremos perfeito, mas sim memorável.

22
Jun18

Meia década debaixo do mesmo teto

IMG_20130626_194238.jpg

Precisamente há cinco anos, depois de festejarmos o aniversário do teu pai na véspera, embarcamos no mesmo avião com destino ao início de uma vida a dois.

Com a cabeça repleta de questões e o coração ansioso, encaramos o desconhecido sem medos, pois sabíamos que juntos conseguiríamos de qualquer maneira.

Assim que aterramos e recuperamos as bagagens que traziam consigo recordações de uma vida, fomos até ao apartamento que eu conseguira alugar com a ajuda de uma colega, semanas antes da tua chegada. O apartamento estava longe de ser um luxo e ele encontrava-se totalmente despido, pelo que quando entramos porta dentro viste chegar uma nova página na tua vida, na nossa vida.

Depois de largar as malas, fomos fazer algumas compras ao supermercado, e ao fim deste primeiro dia tive de ir trabalhar para mais um turno noturno. Ficaste só naquele apartamento que ainda não sentíamos como nosso.

Enquanto esperamos que a nossa mobília chegasse, vivemos os dois em modo campismo. Dormimos num velho colchão emprestado e fizemos refeições sentados em caixas de cartão. Quando olhávamos para nós em modo campistas, eu dizia-te "Deixa lá, um dia isto serão recordações que poderemos contar e rir!".

Os móveis finalmente chegaram e aquele lugar tornou-se um pouco mais parecido com um lar. Vivemos naquele apartamento durante aproximadamente um ano, para depois nos mudarmos para aquele onde ainda hoje nos encontramos.

Sei o quanto foi um choque de emoções para ti, o início da nossa vida a dois. Mudar de casa, adaptar-te a um novo país, e sobretudo à região parisiense que parece ter todos os países reunidos, aprenderes uma nova língua, procurares trabalho fora da tua área, os primeiros desentendimentos de viver a dois, entre outros. Sei o quanto te doeu aquela primeira noite, e toda esta nova realidade. Sei disso e muito mais. Sei sobretudo que foi das maiores provas de amor que me deste. Largares tudo para te juntares a mim, e sermos um nós debaixo do mesmo teto.

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

MEMÓRIAS

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D