Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DIÁRIO 89

Criando memórias desde 1989

29
Mai15

Domaine de Chamarande, um dos meus parques preferidos

No passado mês de Abril, num domingo solarengo, fizemos o primeiro picnic do ano entre amigos. Pesquisamos um novo lugar a descobrir e escolhemos o Domaine de Chamarande! A trinta e nove quilómetros a sudoeste de Paris, no departamento de Essonne, o Domaine de Chamarande é actualmente um parque aberto ao público, classificado como monumento histórico e conta com cerca de 99 héctares.


20150419_154413.jpg20150419_125917.jpg


DSC04459.JPG


DSC04463.JPGDSC04443.JPG


23
Mai15

Xutos, Pontapés e muita saudade

Ver Xutos e Pontapés é sempre algo espectacular, mas vê-los longe do teu adorado país é ainda melhor. Esta noite acho que vai ser a primeira vez que em vez de saltar na música A Minha Casinha, vou-me emocionar. Apesar do namorado não estar presente, vou partilhar este momento especial com pessoas que conheci por aqui. Pessoas que hoje tenho a sorte de poder chamar de amigos. Quando estamos longe as coisas ganham outro significado, outro valor, outra dimensão. Já me imagino a cantar "As saudades que eu já tinha da minha alegre casinha tão modesta quanto eu."

22
Mai15

Um novo sorriso

Há exactamente um ano atrás o meu sorriso mudou para sempre. Depois de algumas noites mal dormidas, acordei depois de uma noite de sono bastante razoável. Sentei-me na beira da cama e bebi um pouco de água, sentindo alguma água sair pelo canto esquerdo da minha boca. Acabada de acordar pensei que tinha a cara um pouco adormecida, como às vezes acontece com as nossas mãos ou braços. Levantei-me e fui à casa de banho onde constatei que algo não estava bem. Olhei-me ao espelho e tentei abrir a boca ao máximo, e verifiquei que apenas metade da minha boca abria por completo. Vários pensamentos me assolaram entre eles o seguinte "Tenho 25 anos, não posso estar a fazer um AVC.". Sem saber o que me estava a acontecer dirigi-me às urgências com a minha amiga Joana.

Nas urgências fui imediatamente atendida assim que olharam para o meu rosto com o lado esquerdo completamente descaído, e passado uns minutos já estava numa maca à espera de ser examinada. Após vários exames físicos, o diagnóstico foi lançado: uma paralisia facial periférica, conhecida como Paralisia de Bell.

A Paralisia de Bell é uma paralisia do nervo facial, nervo este que controla todos os músculos que fazem parte do nosso rosto e que estão associados à mímica facial, à produção de lágrimas e saliva. Trabalhando eu directamente na àrea da saúde desconhecia por completo esta patologia, apesar de ser algo frequente como me explicaram no serviço de urgência. Regressei a casa com corticóides, um anti-viral e lágrimas artificiais, além da recomendação de marcar uma consulta de Otorrinolaringologia, visto que tinha tido dores de garganta e de ouvido nos dias precedentes à paralisia. Foi-me dito também que a recuperação dar-se-ia normalmente num mês e que poderia precisar de sessões de fisioterapia. Um mês de recuperação pareceu-me bastante longo... apesar disso fiquei descansada por não ter tido o famoso acidente vascular cerebral!

Geralmente de início súbito e de origem idiopática, ou seja sem causa conhecida (o que foi o meu caso), a Paralisia de Bell é causada devido à inflamação do nervo facial  como resposta a uma infecção viral, uma compressão ou falta de irrigação sanguínea. Esta leva à impossibilidade de movimentar os músculos do lado afectado. Sorrir, fechar ou pestanejar o olho, bochechar, assobiar, dar um beijinho, encher as bochechas de ar, enrugar a testa ou o nariz... todas estas expressões faciais e mais algumas desaparecem por completo, deixando o lado do rosto afectado flácido. Ainda que metade do rosto fique completamente sem expressão, a sensibilidade permanece. Foi exactamente assim que me encontrei não um mês como me anunciaram, mas vários meses. Meses em que o simples facto de rir me encomodava, devido à cara monstruosa que eu apresentava; meses a ter uma pálpebra que não fecha e o mínimo pedacinho de pó que entrasse no olho deixavam-me com a visão turva e com dores e nem as lágrimas artificiais me safavam; comer e principalmente beber tornou-se algo que tinha de realizar com cuidado para não me babar, o que na presença de outras pessoas nem sempre é algo confortável; não conseguir pronunciar correctamente determinadas palavras; e muitas outras situações que levaram a minha paciência, esperança e fé ao limite. 

Nas consultas de Otorrinolaringologia onde fui acompanhada indicaram-me que este problema poderia levar seis dias, seis semanas ou então seis meses de recuperação. No meu caso pessoal calhou-me os seis meses mais longos da minha vida. Seis meses em que lutei para reecontrar acima de tudo uma aparência normal. Algumas sessões de fisioterapia e exercícios em casa, aos poucos fui sentindo que os meus músculos ganhavam uma nova vida, e cada movimento por mais pequeno que fosse era uma grande vitória. 

Actualmente olho para trás com uma lágrima no canto do olho e vejo o quanto difícil foi essa fase onde a minha paciência, esperança e fé andavam completamente abaladas. Porém hoje olho para a frente mais forte e com um novo sorriso, pelo qual eu lutei!

14
Mai15

Um hobby colorido

19400768_RzF8a.jpeg

Recentemente um artigo numa revista sobre uma nova moda para descontrair um pouco: livros de colorir para adultos. Achei imediatamente uma excelente ideia para descomprimir, pelo que quando encontrei estes livros destinados para adultos senti muita curiosidade. Tem desenhos realmente muito bonitos e que sem dúvida dão logo vontade de colorir, pelo que não resisti em comprar! Pintei hoje o primeiro desenho e não descansei até terminar para ver o resultado final. Fiquei incrédula quando olhei para o relógio pois tinham passado aproximadamente duas horas. Uma forma de recordar a infância, descontrair um pouco e obviamente dar largas á imaginação!

12
Mai15

Dia Mundial do Enfermeiro

Hoje celebra-se o Dia Mundial do Enfermeiro, dia este que assinala o nascimento de Florence Nightingale a qual foi pioneira da enfermagem moderna.

Durante a minha infância não imaginava que um dia iria tornar-me enfermeira, mas o destino levou-me a conhecer esta arte do cuidar. Apesar de nem sempre ser fácil exercer esta profissão, que poucos reconhecem o seu valor e que exige dedicação e muita paciência, há sempre algo que nos faz querer continuar: o bem do próximo. Hoje o dia é dedicado a nós enfermeiros, que apesar tudo, somos uns super heróis no quotidiano de imensas pessoas! Hoje é dia de exercer o meu super poder... let's go!

Sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

MEMÓRIAS

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D